Especialista em Inventário

Seja judicial (na justiça) ou extrajudicial (no cartório)

Nós ajudamos você a cuidar da sua herança

Você foi orientado corretamente sobre as obrigações e direitos de um herdeiro? Tão importante quanto garantir é evitar os problemas que corroem a herança, um patrimônio que pode fazer diferença na sua vida.

Consultoria Jurídica

Consultoria Jurídica para orientar herdeiros quanto aos deireitos e providências

Testamento

Elaboração de testamento Público ou Privado

Planejamento Sucessório

Planejamento Sucessório como estratégia para evitar conflitos entre herdeiros e sucessores, dilapidação do patrimônio.

Inventário Judicial

Realizado perante a justiça, apurando o montante dos bens deixados pelo falecido(a) aos Herdeiros

Inventário Extrajudicial

Realizado perante o cartório, apurando o montante dos bens deixados pelo falecido(a) aos Herdeiros

Partilha de bens

Divisão do acervo entre os sucessores do falecido após o inventário

0

Inventários
finalizados

0

Clientes
Satisfeitos

0

Acordos Fechados

0

Cafezinhos

Vitor Pereira dos Santos

Especialista em Inventários.

15 anos de experiência na transmissão de bens aos herdeiros.

Atua com foco nas relações privadas patrimoniais para transmissão de bens aos herdeiros, seja por planejamento sucessório ou inventário judicial ou extrajudcial (em cartório)

Expertise na consultoria jurídica em inventário, elaboração de testamentos, estruturação de planajemento sucessório, realização de partilhas.

Depoimentos

"Trabalho realizado com excelência. Reuniu todas as principais características que procurava em um profissional da área: competência, eficiência, objetividade, ao lado de uma fundamental atenção humanizada e do oferecimento da segurança que todo cliente procura quando precisa confiar em um advogado. Gratidão! Recomendo muito e sempre recorrerei ao seu atendimento quando precisar de assessoria jurídica."
Marizeth Faria dos Santos
Professora
“Fiquei muito satisfeita com o serviço prestado. Sempre muito atenciosos e prontos a me atender. Além disso, sempre me forneceram as informações de forma clara. Com certeza recomendarei a amigos e familiares. Excelente equipe ! Compromisso e eficiência!!.”​
Andréa Oliveira de Siqueira
Médica
“Trabalho sensacional e com confiança. Indico para qualquer pessoa. .”​
Patrick de Araújo Barcelos
Engenheiro Civil
“Muito Ágil e transparente.”​
Freddy Sandoval Vargas Junior
Empresário
"É uma satisfação muito grande ter uma assessoria tão integra, comprometida, séria, que entende quão importantes são as demandas jurídicas hoje em dia. Serviço de excelência. Recomendo."
William Barros de Souza
Coordenador Operacional
“Trabalho executado com excelência, presta toda informação e atenção necessária. Eu super recomendo.”​
Márcia Claudia Freitas de Araújo
Cabelereira
“Bom profissional, correto e competente. Sempre solícito e atencioso, apesar da morosidade da justiça.”​
Pier Luigi Solza
Aposentado
“Assessoria de excelente qualidade, tudo realizado dentro dos preceitos éticos e legais. Com eles, não precisa se preocupar.”​
Márcia Alexandra Barros de Souza
Enfermeira
"Serviços profissionais e rápidos".
Antônio Jorge Barros de Souza
Técnico de eletrônica

AS 7 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES SOBRE INVENTÁRIO EXTRAJUDICIAL

Se a sua pergunta não estiver aqui, não se preocupe, estamos prontos para responder!

Para que o inventário seja realizado pela via administrativa, todos os interessados deverão ser capazes (inclusive por emancipação), deverá existir consenso em relação à partilha e não poderá haver testamento. 

 Nos termos artigo 11 da Resolução CNJ 35/2007, é obrigatória a nomeação de interessado na escritura pública de inventário e partilha, para representar o espólio, com poderes de inventariante, no cumprimento de obrigações ativas ou passivas pendentes.

Conforme determina o artigo 22 da Resolução CNJ 35/2007, para lavratura da escritura, deverão ser apresentados os seguintes documentos: 

a) certidão de óbito do autor da herança; 
b) documento de identidade oficial e CPF das partes e do autor da herança; 
c) certidão comprobatória do vínculo de parentesco dos herdeiros; 
d) certidão de casamento do cônjuge sobrevivente e dos herdeiros casados e pacto antenupcial, se houver; 
e) certidão de propriedade de bens imóveis e direitos a eles relativos; 
f) documentos necessários à comprovação da titularidade dos bens móveis e direitos, se houver; 
g) certidão negativa de tributos; 
h) Certificado de Cadastro de Imóvel Rural, se houver imóvel rural a ser partilhado; 
i) Certidão comprobatória da inexistência de testamento. 

Ressalta-se que os documentos apresentados no ato da lavratura da escritura devem ser originais ou em cópias autenticadas, salvo os de identidade das partes, que sempre serão originais. 

Como destacado anteriormente, o citado rol não é definitivo, sendo imprescindível que se faça uma consulta junto ao tabelionato em que será formulada a escritura. 

Segundo o artigo 983 do Código Civil o prazo para abrir um inventário é de até 60 dias (contando a partir do óbito), pois após esse período é gerado uma multa de 10% sobre o valor do ITD (Imposto sobre a Transmissão Causa Mortis e por Doação de Quaisquer Bens e Direitos), conforme  Lei nº 1.427 de 13 de fevereiro de 1989 do Estado do Rio de Janeiro. 

E caso ultrapasse 180 dias a multa é de 20% sobre o ITD, tornando o inventário mais caro.

O inventário extrajudicial pode ser feito em qualquer Cartório de Notas, independentemente do domicílio das partes, do local de situação dos bens ou do local do óbito. 

Para transferência dos bens para o nome dos herdeiros, é necessária a apresentação da escritura pública de inventário para registro no Cartório de Registro de Imóveis, no Detran, no Cartório de Registro Civil de Pessoas Jurídicas ou e Junta Comercial em caso de empresas, além de instituições financeiras. 

É importante deixar registrado que a presente manifestação não tem por objetivo esgotar a análise acerca dos assuntos abordados, a finalidade é informar e esclarecer as principais dúvidas. Por isso, recomenda-se que antes de dar início a qualquer procedimento, seja de Divórcio ou de Inventário, pela via administrativa, o interessado procure um advogado de sua confiança a fim de que todos os questionamentos possam ser sanados. 

Não. É facultativo, já que, o inventário negativo como é conhecido tem o intuito de provar a inexistência de bens. Ele é útil quando o falecido deixou muitas dívidas. Dessa forma, a família tem como provar aos credores que o “de cujus” não deixou bens. Logo não será paga a dívida. Esse instrumento também é utilizado, caso o viúvo ou a viúva queira casar novamente. Pois a Lei 10.406 de 10 de janeiro de 2002 no artigo 1.523, parágrafo I, coloca que não pode casar o “viúvo ou a viúva que tiver filho do cônjuge falecido, enquanto não fizer inventário dos bens do casal e der partilha aos herdeiros”.

Artigos recentes

Leia nossos artigos e conheça seus direitos

Vamos falar sobre seu Inventário?

Fale direto comigo no WhatsApp clicando no botão abaixo.